Blog

 

Aos poucos, o olhar de uma mulher que será mãe é transformado na hora das compras. Até sem perceber, ela pode começar a deixar o belo de lado para investir em itens completamente seguros. Seja para a decoração dos ambientes ou para a diversão dos pequenos, a preocupação com a segurança deve estar, sim, em primeiro lugar. Por isso, preparei algumas sugestões.

Vamos lá!

 

  • Não confie na última impressão que teve da criança. Os pequenos evoluem muito rápido e suas reações não são previsíveis. Por isso, nunca menospreze a capacidade de movimento e a curiosidade de um bebê.

 

  • O berço deve apresentar sempre grades altas e separadas de uma maneira que seja possível ver bem o bebê e que ele não consiga passar a cabeça entre elas. No caso de grades móveis, ao serem abaixadas, elas precisam ficar a meio metro de distância do colchão. Os produtos devem ser certificados pelo Inmetro, conforme as normas de segurança da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

 

  • Faça sempre uma vistoria no berço para ver se não tem parafusos aparentes ou grades sem ajuste.

 

  • Já as extremidades devem ser lisas na parte interna. O estrado precisa de duas barras verticais para estabilizar o peso e os movimentos.

 

  • O colchão do bebê não deve permitir espaços grandes entre as grades e as laterais, e os mais indicados são os antialérgicos, que não devem ter embalagens plásticas.

 

  • Lençóis ou mantas devem cobrir o corpo dos pequenos até a altura do peito e devem estar presos embaixo do colchão.

 

  • Travesseiros são indicados após os 18 meses.

 

  • Nunca deixe brinquedos no berço. Tenha cuidado até com as famosas naninhas.

 

  • Sobre os brinquedos, antes de comprar qualquer item, verifique se ele é apropriado para a idade da criança e procure o selo do Inmetro, que garante que o produto foi testado e aprovado. Brinquedos muito pequenos ou com peças miúdas devem ser abolidos, já que a criança pode engolir e engasgar. Um ursinho aparentemente inocente pode causar uma verdadeira tragédia se, por exemplo, o olho do bichinho se soltar e for ingerido pela criança. Você ainda deve checar se o brinquedo é atóxico.

 

  • Caso o berço tenha alguma cortina ou persianas por perto, certifique-se de que elas não têm cordas, para evitar que crianças menores corram o risco de estrangulamento.

 

  • Não deixe de avaliar a temperatura da água do banho. Use o dorso da mão ou o cotovelo e movimente a água de um lado para o outro para misturar as partes quente e fria.

 

  • Durante a troca de fraldas, sempre mantenha uma das mãos no bebê!

 

  • Todas as crianças devem ser transportadas em carros em cadeiras especiais. De acordo com a Resolução 277 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), publicada em maio de 2008, crianças de até 7 anos  meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção de acordo com a idade.

 

  • Consulte o Guia da Cadeirinha da ONG Criança Segura, no site criancasegura.org.br.

 

(Fontes: ONG Criança Segura e livro a Vida do Bebê)

© 2018 Dra. Cláudia Carneiro | Pediatria e Homeopatia

img-a9-link