PUERICULTURA!! O QUE É ISSO?

A puericultura tem origem na França, em fins do século XVIII e foi definida como um conjunto de regras e noções sobre a arte de criar fisiológica e higienicamente as crianças (ROCHA, 1987). Hoje seu conceito foi aperfeiçoado: Puericultura também pode ser chamada de Pediatria Preventiva e tem como objeto uma criança sadia, sendo seu alvo é um "adulto perfeito": fisicamente sadio, psiquicamente equilibrado e socialmente útil (ROCHA,1990).

Tem como objetivo, acolher a todas as crianças, dando assistência de forma integrada. Acompanhando o processo de crescimento e desenvolvimento, monitorando os fatores de risco ao nascer e evolutivo, garantindo um atendimento de qualidade.

Estimular o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida e complementado com alimentação da família, até os dois anos de vida;
Garantir a aplicação das vacinas do esquema básico de imunização;
Realizar vigilância do crescimento e desenvolvimento;

A SBP recomenda que sejam feitas 14 consultas no primeiro ano de vida, sendo a primeira a própria sala de parto, a segunda por volta da primeira de semana de vida, a terceira ao completar um mês de vida e as subseqüentes uma vez ao mês até completar um ano de vida.
Após este período, até a criança completar 2 anos, as consultas podem ser trimestrais, caso a criança venha se desenvolvendo de uma forma satisfatória.
Após os dois anos, as consultas podem ser semestrais ou até anuais, a critério do pediatra, mas devem ser realizadas rotineiramente até os 18 anos de idade!

Os atendimentos para cuidado com a saúde dos grupos etários definidos nestas consultas deverão incluir, no mínimo, os seguintes componentes:

I - avaliação do estado nutricional da criança pelos indicadores clínicos definidos pelo Ministério da Saúde;
II - avaliação da história alimentar;
III - avaliação da curva de crescimento pelos parâmetros antropométricos adotados pelo Ministério da Saúde;
IV - estado vacinal segundo o calendário oficial de vacinas do Ministério da Saúde e outras disponíveis na atualidade;
V - avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor;
VI - avaliação do desempenho escolar e dos cuidados dispensados pela escola;
VII - avaliação do padrão de atividades físicas diárias conforme parâmetros recomendados pelo Ministério da Saúde;
VIII - exame da acuidade visual;
IX - avaliação das condições do meio ambiente conforme roteiro do Ministério da Saúde;
X - avaliação dos cuidados domiciliares dispensados à criança;
XI - avaliação do desenvolvimento da sexualidade;
XII - avaliação quantitativa e qualitativa do sono;
XIII - avaliação da função auditiva;
XIV - avaliação da saúde bucal.

Existem alguns fatores que influenciam o crescimento e o desenvolvimento da criança como o meio ambiente, fatores genéticos, endócrinos.

Um exemplo é meio ambiente, onde a criança e “absorve” as qualidades e dificuldades do meio onde vive. A partir desse meio que será criado seus hábitos, alimentação, educação e higiene.

Fatores genéticos: aparecem com nitidez depois dos 3 anos de idade e atuam na raça, que podem influenciar no tamanho e velocidade de crescimento, na maturação óssea entre outras.

Fatores endócrinos: a atividade dos hormônios desempenham um papel muito importante no crescimento da estatura e amadurecimento dos ossos, assim qualquer alteração aplicara em alteração “nessas medidas”.

(Texto retirado de http://www.ebah.com.br/content/ABAAAA_-kAJ/puericultura em 11/04/2013)