Blog

 

Aquele primeiro olhar que a mãe troca com o bebê não é um instante comum. Da mesma maneira, quando o pequeno abre os olhinhos ao ouvir pela primeira vez a voz do pai está longe de ser uma simples reação.

Por isso, os primeiros dias são importantíssimos para estabelecer a relação de cuidado e carinho que os pais e cuidadores terão com o bebê, e estas ações são fundamentais para o desenvolvimento e conforto da criança. Com certeza, uma simples troca de fralda será uma ocasião única para estabelecer conexão com o bebê.

  •  Para o recém-nascido, cada toque que ele recebe tem uma influência. Portanto, considere o banho como um momento único para transmitir muito amor e carinho. O mesmo vale para troca de roupa, fraldas, colo... Ele vai entender!
  • Não é preciso acordar o pequeno para reforçar nenhum contato.
  • Conversas também são fundamentais para estreitar o relacionamento. Afinal, a voz da mãe, do pai, dos irmãos e de pessoas que conviveram mais próximas dele durante a gestação transmitem bem-estar e relaxamento.
  •  Demonstrar carinho é de extrema importância para a segurança emocional do pequeno.
  • Ao ser tocada, a criança desenvolve seus sentidos e interpreta os atos como prazerosos.
  • A amamentação é um ato de amor. Além de nutrir o filho, a mãe tem a grande oportunidade de realizar carinhos e permitir novas trocas de olhares.
  • Não se esqueça: no desenvolvimento de vínculos, qualidade é muito mais importante do que quantidade.
  • Sim, é possível que o bebê chore apenas para pedir colo. É comum eles se sentirem inseguros e sozinhos nos primeiros meses de vida.

 

Fonte: Guia do Recém-nascido, On Line Editora

O que achou deste post? Conte para nós?

Chegou a hora de celebrar o primeiro aninho! Nessa idade, seu filho começa a se mostrar mais independente. Com a coordenação motora fina mais apurada, as brincadeiras passam agora a envolver o exercício de músculos maiores. Os bebês acham muita graça em empurrar, lançar e jogar tudo no chão, e gostam de brincadeiras que envolvam tirar peças de um lugar e pôr em outro.

A relação entre a criança e os pais durante os primeiros anos de vida condiciona as suas futuras interações e a forma como se vê a si própria.


Os primeiros anos de vida são fundamentais no desenvolvimento. Com um ano de idade, criança já não se parece em quase nada com o pequeno ser que nasceu à 12 meses atrás.


O seu filho é, ou será em breve, um pequeno caminhante. A curiosidade em descobrir o mundo e como funcionam as coisas à sua volta não vai parar de crescer e será o motor para o enorme desenvolvimento dos próximos anos.


Com 12 meses, é provável que a dieta do seu bebé se aproxime muito da do resto da família. Os primeiros sabores estão conquistados e o bebê vai ter vontade de provar novos alimentos à medida que cresce e vê a comida dos adultos. O sono também deverá estar regulado e o seu quarto tornou-se no principal espaço para dormir e fazer as sestas diurnas.


AS EMOÇÕES E AS RELAÇÕES SOCIAIS

  • Procura comunicar com o adulto: se alguma coisa que faz causa o riso ou aplauso, repete-a.
  • Sofre com a separação dos pais (ansiedade de separação).
  • Tem medo de pessoas estranhas.
  • Expressa muitas emoções.

 

LINGUAGEM E APRENDIZAGEM

 

  • É um explorador com grande curiosidade de mexer e alcançar tudo o que se encontra no seu campo visual.
  • É capaz de identificar um objeto num desenho e assimilá-lo.
  • Compreende perguntas simples.
  • Gosta de sons repetidos ritmicamente.
  • Adora brinquedos que fazem ruído ou produzem música.

 

COMPETÊNCIAS MOTORAS

  • Ajuda a vestir-se.
  • Pode começar a andar, mas com apoio do adulto ou agarrado aos móveis.
  • Solta os objetos voluntariamente.
  • Mantém-se de pé.
  • É capaz de pôr um objeto sobre o outro.
  • Maneja a colher apesar de ainda não dominar o seu uso completamente.
  • Extensão da coluna lombar, sentado, de joelhos ou em pé.
  • Quando sentada, move bastante os braços, que também são usados como ponto distal para o equilíbrio.
  • Aumenta a rotação interna das ancas, permitindo sentar-se em W, uma posição de transição depois de engatinhar.

 

SINAIS DE ALARME

  • Não se consegue levantar sozinho.
  • Não engatinha (ou forma equivalente).
  • Não aguenta o peso nas pernas.
  • Permanece imóvel, não procura mudar de posição.
  • Não usa gestos simples: apontar, abanar a cabeça, …
  • Não bate dois objetos um no outro.
  • Não aponta para objetos.
  • Não pega nos brinquedos com uma só mão.
  • Não mastiga.
  • Sobressalto ao menor ruído.
  • Não diz nenhuma palavra.
  • Não responde à voz.
  • Não faz gestos simples como dizer adeus ou abanar a cabeça.

 

https://www.maemequer.pt/desenvolvimento-infantil/desenvolvimento-fase-a-fase/etapas-desenvolvimento/o-bebe-aos-12-meses-de-idade/
 

           Desde o primeiro dia de vida, elas vão acompanhar os pequeninos. Por alguns anos, as fraldas estarão no topo da lista de compras. Portanto, saber escolher o melhor produto é importante para a saúde e o conforto do bebê.

         Separei algumas dicas que valem a pena antes de testar marcas e modelos.

 

  • As fraldas infantis estão evoluindo não só em performance, mas também em inovações que proporcionam mais praticidade, movimento e, principalmente, que visam dar mais atenção a esse momento de cuidado entre mãe e filho. Os principais pontos de atenção das mães ao escolher a melhor fralda para seu filho estão ligados à absorção e ao conforto.

 

  • Converse com suas amigas que são mães. Cada uma dará uma informação importante, seja sobre a marca, o material ou o preço.

 

  • Alguns grupos ou perfis nas redes sociais voltados ao mundo da maternidade costumam permitir posts divulgando promoções em todos os estados. Mantenha-se atualizada.

 

  • O material pode, sim, dar reações alérgicas no bebê. A cada troca de marca, fique atenta às alterações na pele do bebê e se ele ficou irritadiço após a mudança. Qualquer comportamento diferente, consulte o pediatra.

 

  • Não existe uma regra sobre fraldas. Cada criança pode se adaptar a uma marca ou material.

 

  • Não se esqueça de que a troca é sempre um momento de bastante intimidade e proximidade entre os pais e o bebê. Aproveite essa hora tão importante para interagir com a criança,olhar bem nos olhos dela, sorrir e permita-se tocá-la também.

 

  • Ter sempre por perto produtos de qualidade, que sejam eficazes e fáceis de usar, garante uma troca mais rápida, limpa e divertida.

 

 Horas de sono diário: 12 a 15 horas.

O bebê com 11 meses começa a mostrar a sua personalidade, gosta de comer sozinho, engatinha para onde quer ir, já anda com ajuda, fica contente quando tem visitas e já entende ordens simples como: "Traz aquela bola para mim" e pode apontar para a mãe quando alguém lhe pergunta "Onde está a mamãe?".

AS EMOÇÕES E AS RELAÇÕES SOCIAIS

  • Compreende e imita regras e rotinas sociais.
  • Manifesta carinho com abraços e mimos principalmente pelos pais.
  • Já tem alguma individualidade e reconhece o seu nome.
  • Obedece a ordens simples.

LINGUAGEM E APRENDIZAGEM

  • Utiliza sons e tons diferentes para expressar sentimentos como a surpresa.
  • Distingue padrões sonoros e palavras em qualquer língua.
  • Irá aprender os sons e as regras das línguas a que estiver mais exposta.
  • Ouve com atenção os adultos a falar e procura imitar sons e palavras.
  • Consegue levar a colher à boca apesar de ainda estar a treinar a coordenação mão/boca. ​​​​​​​

COMPETÊNCIAS MOTORAS

  • Começa a exercitar grupos musculares maiores, empurra os brinquedos e outros objetos.
  • Senta-se sem ajuda e por iniciativa própria.
  • Consegue engatinhar e andar agarrado às coisas.
  • Nem todos os bebês engatinham, o que não significa que não tenham essa capacidade.
  • Alguns bebês começam a dar os primeiros passos agarrados ao adulto ou aos móveis. Domina alguns movimentos finos, como a pinça com os dedos e o polegar.
  • Equilibra-se em pé por uns instantes.
  • Enquanto uns bebês iniciam cedo a estarem de pé sozinhos e a darem o seu primeiro passo, outros iniciam os passos antes de conseguirem manter-se sozinhos em pé.
  • O primeiro passo pode ser um desafio e exigir toda a concentração por parte da criança, e a motivação dos pais quando o bebê começa a fazer as primeiras tentativas é muito importante.
  • Aponta para os objetos que deseja. Ajuda a vestir-se, dando a mão ou o pé.

 

Aos poucos, o olhar de uma mulher que será mãe é transformado na hora das compras. Até sem perceber, ela pode começar a deixar o belo de lado para investir em itens completamente seguros. Seja para a decoração dos ambientes ou para a diversão dos pequenos, a preocupação com a segurança deve estar, sim, em primeiro lugar. Por isso, preparei algumas sugestões.

Vamos lá!

 

  • Não confie na última impressão que teve da criança. Os pequenos evoluem muito rápido e suas reações não são previsíveis. Por isso, nunca menospreze a capacidade de movimento e a curiosidade de um bebê.

 

  • O berço deve apresentar sempre grades altas e separadas de uma maneira que seja possível ver bem o bebê e que ele não consiga passar a cabeça entre elas. No caso de grades móveis, ao serem abaixadas, elas precisam ficar a meio metro de distância do colchão. Os produtos devem ser certificados pelo Inmetro, conforme as normas de segurança da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

 

  • Faça sempre uma vistoria no berço para ver se não tem parafusos aparentes ou grades sem ajuste.

 

  • Já as extremidades devem ser lisas na parte interna. O estrado precisa de duas barras verticais para estabilizar o peso e os movimentos.

 

  • O colchão do bebê não deve permitir espaços grandes entre as grades e as laterais, e os mais indicados são os antialérgicos, que não devem ter embalagens plásticas.

 

  • Lençóis ou mantas devem cobrir o corpo dos pequenos até a altura do peito e devem estar presos embaixo do colchão.

 

  • Travesseiros são indicados após os 18 meses.

 

  • Nunca deixe brinquedos no berço. Tenha cuidado até com as famosas naninhas.

 

  • Sobre os brinquedos, antes de comprar qualquer item, verifique se ele é apropriado para a idade da criança e procure o selo do Inmetro, que garante que o produto foi testado e aprovado. Brinquedos muito pequenos ou com peças miúdas devem ser abolidos, já que a criança pode engolir e engasgar. Um ursinho aparentemente inocente pode causar uma verdadeira tragédia se, por exemplo, o olho do bichinho se soltar e for ingerido pela criança. Você ainda deve checar se o brinquedo é atóxico.

 

  • Caso o berço tenha alguma cortina ou persianas por perto, certifique-se de que elas não têm cordas, para evitar que crianças menores corram o risco de estrangulamento.

 

  • Não deixe de avaliar a temperatura da água do banho. Use o dorso da mão ou o cotovelo e movimente a água de um lado para o outro para misturar as partes quente e fria.

 

  • Durante a troca de fraldas, sempre mantenha uma das mãos no bebê!

 

  • Todas as crianças devem ser transportadas em carros em cadeiras especiais. De acordo com a Resolução 277 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), publicada em maio de 2008, crianças de até 7 anos  meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção de acordo com a idade.

 

  • Consulte o Guia da Cadeirinha da ONG Criança Segura, no site criancasegura.org.br.

 

(Fontes: ONG Criança Segura e livro a Vida do Bebê)

Página 2 de 13

© 2018 Dra. Cláudia Carneiro | Pediatria e Homeopatia

img-a9-link